Aquando do regresso às 35 horas na função pública, o governo assegurou que tal não teria efeitos nem na qualidade do serviço público nem nas contas públicas. Três anos depois torna-se evidente que estavam a mentir. A lógica não perdoa e a medida teve mesmo efeito na qualidade dos serviços de saúde e nos tempos de espera para muitos serviços públicos. Também gerou mais despesa. Independentemente da discussão sobre a medida em si, esta forma de fazer política, centrada na mentira, na ilusão e na captura de votos a todo o custo tornou-se a imagem de marca do Partido Socialista. 

A incapacidade de antecipar e informar as pessoas sobre os efeitos das medidas propostas (mesmo quando são evidentes) transforma o governo do país numa mera gestão de ciclos eleitorais. #ÉPrecisoOposição #PortugalMaisLiberal